terça-feira

Castanheira - Bertholletia excelsa



Nome Científico: Bertholletia excelsa H.B.K.
Família: Lecythidaceae.
Nomes Comuns: Castanha-do-Pará, Castanha, Castanheira, Castanha-Verdadeira, Castanheiro, Castanha-do-Brasil, Amendoeira da América.

Ocorrência: Estende-se desde o Estado do Maranhão e Mato Grosso (vale do rio Papagaio) até 10º de latitude através dos Estados do Pará (região de Alenquer, Almeirim, Óbidos e todos os terrenos banhados pelo rio Trombetas e seus afluentes); fronteira com o Suriname (vale do rio São João e cordilheira do Tumucumaque), do Amazonas (Vale dos rios Madeira, Maués, Purus, Negro e Solimões até o vale do Orenoco e altos rios Marimari e Abacaxi), região de Tocantins, nos vales do Curuá e Pará, Rondônia e Acre. É encontrada ainda no Peru, Guianas, Venezuela e Bolívia. É encontrada principalmente em mata alta de terra firme, solo argiloso, argilo-arenoso ou argilo-silicoso.
Características Morfológicas: Árvore de porte majestoso e frondoso, dominante na região onde se encontra, copa grande e aberta, fuste reto, cilíndrico, desprovido de folhas até o fronde, casca marrom, escura e fendilhada. Altura de 30-50 m, excepcionalmente 60 m, com tronco apresentando de 100-180 cm de diâmetro. Folhas simples, oblongas ou ovado-oblongas de 25-40 cm de comprimento e 15 cm de largura, glabras, parte superior verde-oliva e inferior verde-pálido, caducas, formando camada densa sobre o solo. Inflorescência em panículas terminais eretas até 20 cm de comprimento. Flores sésseis, grandes, aromáticas, com seis pétalas brancas. O fruto (ouriço) é um pixídio lenhoso, globoso, ligeiramente deprimido, quase esférico, de tamanho e peso variável, com uma pequena cicatriz opercular, porém indeiscente, as sementes (castanhas) são angulosas, agudas, mais ou menos triangulares. Das castanhas extrai-se até 67% de um óleo excelente para cozinhar e saboaria fina.
Informações Ecológicas: Árvore muito útil para reflorestamentos. Planta semidecídua, heliófita, característica da mata alta de terra firme (não inundável) de toda Amazônia. É planta social, ocorrendo em determinados locais em grande freqüência e formando os chamados “castanhais”, porém sempre em associação com outras espécies de grande porte.
Fenologia: Floresce durante os meses de novembro a fevereiro. Seus frutos amadurecem no período de dezembro a março. Seus frutos precisam de 15 meses para amadureceram.

Obtenção de Sementes: Recolher os ouriços (frutos) no chão após sua queda espontânea. Em seguida retirar as sementes dos frutos através da quebra do invólucro lenhoso. Um quilograma de sementes contém, aproximadamente, entre 70-80 unidades. Sua viabilidade em armazenamento é curta, não ultrapassando 5 meses. Seu fruto pesa entre 500 a 1500 gramas e contém 15-24 sementes (castanhas).
Superação da Dormência: Suas sementes apresentam dormência variável dependendo da origem, e necessitam de tratamento antes da semeadura. Geralmente está associada à impermeabilidade do tegumento. Faz-se a imersão em água por 24 horas, e em seguida retira-se o tegumento com prensa, faca ou estilete. Há o método da retirada da casca mais o tratamento com acetato fenil mercúrio, e outra alternativa é enfraquecer mecanicamente a casca para permitir a entrada de água.
Produção de Mudas: A capacidade de germinação é mediana. O início da germinação se dá a partir do vigésimo dia e o pique da germinação (75%) ocorre aos 70 dias. Entretanto em condições naturais a emergência pode demorar de 6 a 18 meses. Colocar as sementes para germinar, logo que colhidas, diretamente em embalagens individuais mantidas em ambiente sombreado e contendo substrato argilo-arenoso. O desenvolvimento das mudas, bem como das plantas no campo é lento, chega a frutificar aos 8 anos, porém somente aos 12 atinge produção normal.
Armazenamento: As sementes são recalcitrantes, portanto, não podendo ser armazenadas por um longo período. Para um armazenamento inicial pode-se usar sacos de aniagem.

Nenhum comentário: